Revista Mundo Logística traz iTAG como referência mundial em automação

destaque na revista mundo logística

RFID: as ondas de rádio que otimizam os processos e aumentam a produtividade

 

Pioneira no País em projetos de Identificação por Radiofrequência (RFID), a empresa brasileira iTAG é referência mundial em automação, por meio de suas etiquetas inteligentes. Sem dar bola para a crise, a iTAG aproveita a oportunidade para crescer até 30%, em 2016, ao expandir os seus negócios a diversos setores, resgatando uma tecnologia “antiga”, para evitar desperdícios e gerar renda às companhias de toda a cadeia de suprimentos.

Líder no Brasil e referência mundial em automação por meio de etiquetas inteligentes com a tecnologia RFID, a iTAG está otimista com as oportunidades que a crise oferece em difundir seus conceitos e aplicações do RFID para todos os setores da economia, fazendo com que as empresas que adotem a tecnologia possam ter um controle seguro e rastreado de cada item. Além disso, o projeto RFID da iTAG ajuda os empresários nos controles de movimentação de estoque, para garantir as informações do Bloco K, uma recente exigência do governo às companhias.

Nascida em Cianorte, Paraná, no ano de 2007, e estabelecida em São Paulo, a iTAG tem o segundo maior case de automação por RFID do mundo, no setor de vestuário, e vem ampliando a sua atuação para chegar ao final deste ano com um crescimento de 30%, representando um faturamento próximo a R$ 8 milhões.

Essa tecnologia deu vida às chamadas etiquetas inteligentes, ou seja, o RFID é a nova Era do código de barras e sua principal função é oferecer um processo de transformação, que pode ajudar a reduzir desperdícios, limitar roubos, gerir inventários, simplificar a logística, aumentar a produtividade, entre outros benefícios, sempre visando ao aumento de renda do contratante.

A iTAG foi a primeira empresa no segmento a oferecer soluções completas em projetos de RFID, ou seja, a empresa disponibiliza ao cliente todas as ferramentas e equipamentos necessários para cumprir as etapas de um projeto, desde a fabricação das etiquetas até a programação comunitária contra violação, sem intermediários ou terceirizados. Diante disso, a iTAG conquistou cinco prêmios na área de automação, consagrando-se como a primeira empresa do País registrada pela Associação Brasileira de Automação a oferecer tecnologia administrativa para o setor de vestuário. Os prêmios são: Prêmio Internet das Coisas 2011, Prêmio Automação 2013-2014-2015 na categoria Identificação no setor Têxtil EPC GEN2, SSCC e EPC IS, e Prêmio Automação 2015 na categoria Controle Logístico RFID.

Além do segmento de vestuário, a iTAG é reconhecida por atuar nos setores de joias, medicamentos, itens de saúde, sapatos, pneus, relógios, logística, documentos, movimentação de itens, entre outros setores. Entretanto, além de ser responsável por todas as partes do processo, a iTAG tem o foco total no atendimento ao cliente, oferecendo aos contratantes todo o suporte necessário para entenderem os benefícios que o RFID traz aos diferentes departamentos da empresa.

Com uma carteira atual de clientes formada por cerca de 40 nomes, a iTAG investe R$ 1 milhão por ano no lançamento de novos produtos, como o sistema de beacons para o varejo.

 

2º maior case de RFID do mundo no setor de vestuário


Para constatar a sua inventividade e seu pioneirismo no desenvolvimento de projetos RFID, a iTAG foi reconhecida, em 2014, como o segundo maior case de RFID do mundo, no setor de vestuário, pelo trabalho realizado para a Brascol, mega atacadista do Brás, em São Paulo, especializado em produtos para crianças na faixa de 0 a 16 anos, com duas lojas.

Além da Brascol, a iTAG também coleciona cases representativos em outros setores do mercado, como a Cremer, empresa brasileira com produtos nas áreas de primeiros socorros, higiene e bem-estar, que aplicou um projeto de RFID nas linhas de fraldas e toalhas; Golfe Class, grife de moda para homens, mulheres e crianças; Biomecânica, fabricantes de próteses ortopédicas; Hermitex, fabricante de uniformes executivos, entre outras companhias.

Esta matéria foi escrita pela redação da Mundo LogísticaRevista Mundo Logística.